sábado, 7 de maio de 2016

Transmission for FreeNas

Depois de um tempo lutando para ter um servidor de torrent decente desde o Iomega Ix-200 até este FreeNas, acredito que agora eu tenha encontrado o equilíbrio que eu tanto esperava de um servidor deste tipo.

De que serve ter um servidor de mídia se preciso de um computador ligado pra ficar baixando os torrents? Pois é, agora não mais.

Vou falar da configuração do plugin Transmission para o FreeNas.


Já tinha lutado com ele desde quando instalei o FreeNas, mas algumas coisas não estavam bem.



O maior problema era ele não permitir apagar os arquivos baixados quando estes vinham dentro de uma pasta.

Para entender como o FreeNas funciona nesta questão de pastas, geralmente quem criar uma pasta é o único que tem permissão para apagar. Eu explico.

Para que um plugin funcione, você deve especificar um storage, um local de armazenamento para ele utilizar para "manusear" os arquivos.


Na parte superior, em Source, definimos qual a pasta dos drives do servidor iremos usar para o plugin, neste caso a pasta Torrent (criei esta pasta em um HD exclusivo pra ela sem espelhamento).

Em baixo, em Destination, a pasta interna do plugin, geralmente "media" para estes plugins destinados à mídias (Plex, Transmission etc).

Se eu criar uma pasta, através do Windows, dentro da pasta Torrent, posso apagá-la normalmente, sem maiores problemas. Mas quando é o próprio plugin que cria a pasta, como a pasta de um filme sendo baixado, aí seus problemas começam.

Há várias reclamações na internet de usuários querendo uma solução e há configurações via console  que dizem resolver este problema. Eu nunca tentei. Não tenho conhecimento neste nível para mexer nos comandos de linux.

Fiquei um bom tempo sem usar o Transmission por causa disto, uma hora eu teria que apagar os arquivos baixados além de perder o controle sobre quais arquivos eu já tinha passado para as pastas do Plex ou não.

Semana passada resolvi investir novamente e estava disposto a mexer nos comando do console.

Encontrei mais uma página que configurava os plugins do FreeNas para servidor de mídia: https://www.jruehlig.com/wordpress/installation-configuration-of-freenas-plugins/, mas não animei mais uma vez.

Estava determinado a formatar o drive sempre que precisasse limpar os arquivos. Foi quando vi um comando que não tinha percebido antes no Transmission Web Interface.


Agora, após mover e arrumar os arquivos nas pastas do Plex, apenas clico nesta opção e tudo some da pasta Torrent. Ou seja, no FreeNas, só pode apagar quem criou a pasta. Lógico que há configuração que pode ser feito para corrigir isto, mas esta solução é para usuários como eu.

Resolvido este problema, o Transmission são só vantagens. Vejamos:

  • Remote Transmission
Talvez a melhor e mais necessária função de um servidor de torrent. Controle por celular.


Após cadastrar o IP do seu servidor FreeNas na rede de sua casa, o Transmission Remote encontra o plugin instalado e passa a monitorar os downloads.


Mais que apenas mostrar o que está acontecendo, sem sair do sofá, podemos navegar nos sites de torrent e adicioná-los para baixar.

  • Baixando o arquivo .torrent no seu celular e depois carregando no programa

  • Entrando com o link do .torrent

  • Clicando diretamente no magnet link - método mais direto e simples

O gerenciamento dos arquivos também é configurável, como nos programas de torrent para computador.

Na configuração do plugin no FreeNas, basta definir as pastas de como o Transmission deve se comportar:


Bem, com estas orientações acredito que qualquer um pode ficar tão satisfeito quanto eu na gestão de seus arquivos torrent.

A maravilha de poder colocar um filme ou série para baixar quando topar com ele navegando pelo celular, mesmo deitado na sua cama, sem precisar levantar e ligar um computador, pode ser conseguido com este pequeno programa (o menor gerenciador de torrents para o FreeNas).

Dúvidas, só perguntar! Licença que vou baixar mais alguma coisa ali... :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Be cool" quando for escrever seu comentário. Seja construtivo!