domingo, 27 de novembro de 2011

Bugatti Veyron

Sei que existem diversos sites que falam sobre esse carro, mas uma coisa curiosa aconteceu em uma viagem recente que fiz com amigos. Ninguém conhecia o carro.




Há um motivo na escolha desta foto dentre tantas que existem. Ela é uma
das poucas fotos disponibilizadas pela VW pouco antes do lançamento.

Certos momentos, gostamos tanto de algo que assumimos que todos ao nosso redor também compartilham dos mesmos gostos.
Mostradores. Velocímetro abaixo e à direira. Conta giros no meio e
o mais divertido, 'potenciômetro' à esquerda e abaixo, marcando até 1001cv

Por isso, resolvi fazer uma postagem sobre esse carro mas não vou me ater apenas aos números que por si só já o fazem impressionante. Mas tentar cavar um pouco da história por trás de sua criação e das implicações para a VW na produção de um carro com as ambições que o projeto requeria.

Os requisitos iniciais do projeto era desenvolver um carro que passasse dos 400 km/h, tivesse mais de 1000cv (por isso mostra 1001cv) e que qualquer um pudesse dirigir, inclusive uma dona de casa para fazer compras no mercado.

O desafio foi enorme. A VW esbarrou constantemente em problemas de peso e equilíbrio do carro. Foram gastos 5 anos no seu desenvolvimento e alguns bilhões de dólares. Valores que não serão recuperados com sua venda, mesmo sendo o carro mais caro do mundo. Então qual o objetivo de se produzir um carro assim?
Eu consigo identificar alguns motivos:
1) Adquirir Know How
2) Mostrar ao mundo a capacidade e competência da VW em se produzir um carro único
3) Desenvolvimento de novas tecnologias
Modelo apresentado em Tokio

Antes de prosseguir, estou falando de um carro Bugatti e não paro de mencionar a VW. Acontece que a Bugatti pertence ao grupo VW. Conjunto motor e câmbio são VW e a equipe do projeto era da VW. Resumindo o carro leva apenas o nome da Bugatti.


O câmbio necessário para aguentar essa besta em potência e torque, ser capaz de fazer trocas rápidas o suficiente e ainda ser conduzido por um leigo em pilotagem, simplesmente não existia. Seu desenvolvimento propiciou a criação do mais moderno câmbio atual. O de embreagem dupla que hoje é utilizado na maioria dos carros esportivos de alto desempenho e em boa parte dos carros da VW como o Jetta Turbo, Passat, Golf GTI entre outros.


Entre as soluções empregadas estão o motor de 16 cilindros em W, ou seja, dois motores V 8 colocados em V de novo. Isso resulta em um motor extremamente compacto pois há um intercalamento entre os cilindros.

O motor é de 8.000cc, ou seja, um 8.0 e conta com 4 turbinas para que o carro atinja a potência requerida. Se você for um pouco entendedor de carros, vai saber que não é o número de turbinas que promove a potência e sim o volume de ar que a ou as turbinas são capazes de gerar. Poderia se ter a mesma potência utilizando uma turbina gigante, mas a utilização de turbinas menores promove uma redução no lag ou atraso no tempo de resposta destas, ou seja, a potência aparece mais cedo. Além de outras questões técnicas.






Descobri que existem 3 modelos dele. Vamos a eles:
O 'simples' Veyron 16.4 e o Grand Sport (roadster):
0-100 km/h: 2.5 s
0-200 km/h: 7.3 s
0-300 km/h: 16.7 s (tem carro que não chega a 100 km/h nesse tempo)
0-400 km/h: 55.6 s
Velocidade Máxima: 407 km/h (média de 4 passagens)
Potência: 1001 cv
Torque: 127 kg.m (!!) sim, igual caminhão

Perto de 1040 cv na verdade. O 1001 tem uma questão de marketing
Partes na montagem: 3700
Sequência de ignição: 1-14-9-4-7-12-15-6-13-8-3-16-11-2-5-10 (meu pai vai amar)
Cilindrada: 7.993 cc
Câmbio: 7 marchas DSG
Distribuição de peso: 45% dianteira e 55% na traseira
Tração: 4x4 permanente

Para velocidades acima de 375 km/h o motorista deve utilizar a topspeed key. Uma chave que vai na lateral do banco do motorista responsável por liberar a fera ao seu limite.

Sistema de frenagem com discos de cerâmica de carbono de 400 mm na dianteira e 380 mm na traseira são auxiliados em altas velocidades pelo aerofólio traseiro que se levanta tornando-se um freio aerodinâmico gerando um esforço de até 0.6 g.

 A cerâmica atinge 1.100 graus celsius na superfície em testes de carga.

Asa traseira em momento de frenagem
Testes de dirigibilidade no gelo

Aqui, algumas imagens do Bugatti Veyron Grand Sport. Versão roadster conversível com alguns detalhes a mais de sofisticação.






Vou começar com esse vídeo do Auto Esporte da Globo quando fizeram a matéria sobre ele. Mesmo eu achando um tanto quanto superficial e afetada, a matéria vale para se começar a ter uma idéia do que é o carro.



Mas acredito esta equipe ser um pouco mais competente para descrever um carro deste tipo. Além de mais recursos e mais tempo pra falar do carro, claro.

Essa não foi a primeira aparição do Veyron ao Top Gear, programa da rede de televisão britânica BBC. Mas neste episódio, além da apresentação do carro, um dos apresentadores faz o teste de velocidade máxima. As imagens são de arrepiar. Infelizmente não encontrei legendado, mas acredito que as imagens falam por si.

Leis de direito autoral não permitiram que o vídeo fosse reproduzido aqui.
Segue o link: http://youtu.be/LO0PgyPWE3o

Muito bacana quando ele diz que "a partir desta velocidade, deixamos os carros de F-1 para trás". Bem propício para um dia de Grande Prêmio do Brasil como hoje (27/11/2011)
Outro comentário quando passa dos 400 km/h: "a partir desta velocidade os pneus duram apenas 15 min, mas tudo bem, o combustível acaba em 12 min" hehehehe
Galera, são 113 metros percorridos em 1 segundo.... no more comments...

Mas o fato de ser o carro mais rápido do mundo de série, incomodou alguns norte americanos que produziram o SSC Ultimate Aero que atingiu a velocidade de 413 km/h e é produzido em série.



Tudo bem que ele não acelera igual, não freia igual, não tem acabamento igual e uma lista interminável de itens inferiores. Além de ter quebrado em algumas ocasiões. Mas tudo bem. O recorde era para velocidade máxima.

A Bugatti / VW teve que engolir por um tempo a perda do recorde, mas no ano passado apresentaram a última palavra. O Veyron Super Sport.

0-100 km/h: 2.5 s
0-200 km/h: 6.7 s
0-300 km/h: 14.6 s (tem cabimento?)
0-400 km/h: 55.6 s
Velocidade Máxima: 434 km/h (média de 4 passagens) mas de fábrica ele vem limitado a 415 km/h só
Potência: 1200 cv nem sei o que comentar
Torque: 153 kg.m caminhão, só que maior

Esse link tem 2 videos que mostram o exterior e o interior do carro.


Simplesmente a melhoria do que era perfeito.




Interessante, caso queira ver fotos, assistir vídeos e até ouvir alguns sons deste carro, acesse http://www.bugatti.com/en/experience/media.html
A diversão é garantida, até que possa ter o seu próprio.

Personalizado




Em tempo: (fonte Site da 4 Rodas quando do lançamento do carro)
Reportagem de junho de 2006

"Em velocidades muito altas, é necessário um perfeito equilíbrio entre coeficiente de arrasto e pressão gravitacional", diz Schreiber. "Antes de tentar atingir 408 km/h o perfil aerodinâmico do carro precisa ser ajustado". Para tanto, o motorista gira a chamada "chave de velocidade", comando localizado entre o assento e a soleira. No módulo "velocidade", a asa traseira e o spoiler sobre ela se retraem quase por completo, os painéis do difusor dianteiro se fecham, a altura de rodagem cai para 65 milímetros na frente e 70 atrás e o coeficiente Cx diminui de 0,37 para 0,36. Nessa configuração, a resistência de arrasto está no seu mínimo absoluto - mas a pressão gravitacional também. Na frente não há qualquer elevação e na traseira há meros 40 quilos sobre a asa. No módulo "dirigibilidade", que vale para até 376 km/h, os números correspondentes são 150 quilos no eixo dianteiro e 200 no eixo traseiro.


1036 Cavalos
Para acertar a melhor combinação de velocidade, termodinâmica e estabilidade, a equipe acampou nos túneis de vento da Audi e da Sauber. E terminou com uma forma que poderia chegar a 406 km/h em condições ideais com "apenas" 1001 cavalos. Mas, só por questão de segurança e para resguardar a preciosa velocidade máxima, eles espremeram ainda mais potência para se garantir em caso de condições adversas. Portanto, segundo os técnicos, os alegados 1001 cavalos são uma medida conservadora. De fato, estaríamos falando de algo em torno de 1036 cavalos.



Para evitar que os freios fritem as pastilhas sob pressão, os cubos de roda trazem dutos integrados em forma de caracol que levam o ar frio para os discos. Já que o calor é a maior ameaça no anda-e-pára do trânsito, todos os defletores de ar vão automaticamente para o padrão máximo de refrigeração em baixas velocidades. Nessa posição, a complexa arquitetura de aço e alumínio chia e estala como um enxame de gafanhotos e o carro é envolvido por um cheiro de óleo de motor quente, combustível queimado, poeira de pastilha de freio e borracha da Michelin. A sensação é assustadora.


 "O Veyron cobre um espectro de velocidade maior que o de qualquer outro carro esporte", afirma Schreiber. "Ele deve rodar razoavelmente bem a 40 km/h e ao mesmo tempo deve ser perfeitamente estável e inspirar confiança a 400 km/h. Para atender a esses requisitos conflitantes, há três configurações de suspensão para escolher: standard, dirigibilidade e velocidade máxima. Em vez de instalar molas ajustáveis, amortecedores e barras anti-rolagem, optamos por um sistema hidráulico central de ação rápida que permite, entre outras coisas, ajustes instantâneos de altura de rodagem." Equipado com rodas OZ e pneus PAX runflat fornecidos pela Michelin, em módulo standard, a altura do chão do Bugatti é de 125 milímetros em todos os cantos - suficiente para subir em calçadas não rebaixadas.

2 comentários:

  1. Ninguém conhecia mesmo nem eu...

    ResponderExcluir
  2. Oras, você foi a única que disse o nome do carro. Porque diz que não conhecia?

    ResponderExcluir

"Be cool" quando for escrever seu comentário. Seja construtivo!